Úlceras de Perna - Gabriele Garotti

Úlceras de Perna

O que é:

As úlceras ou feridas das extremidades inferiores são consequência de doenças venosas, arteriais ou neurovasculares, tais como varizes, trombose venosa, aterosclerose, diabetes e hipertensão arterial entre outras.

Localizam-se, na maior parte dos casos, nos tornozelos ou terço inferior das pernas e pés.

A insuficiência venosa crônica é a principal causa do desenvolvimento de úlceras de perna. Ocorre após uma trombose venosa profunda, flebite ou varizes de membros inferiores de longa duração.

A hipertensão venosa prolongada ocasiona alterações na pele, do tipo: edema (inchaço), hiperpigmentação ou dermatite ocre (manchas escuras), dermatoesclerose ( enrijecimento e perda de elasticidade da pele) e úlceras de estase.

Outras causas de úlceras de membros inferiores:

  • Ferimentos infectados;
  • Doenças auto-imunes, como a esclerodermia;
  • Hipertensão arterial;
  • Má irrigação sanguínea da perna (úlceras isquêmicas);
  • Úlceras dos diabéticos;
  • Tumores de pele;
 

Quais são os sintomas:

Dor, cansaço, sensação de peso nos membros inferiores, edema, coceira nas áreas onde há inflamação da pele. A úlcera costuma ser pouco dolorosa. A dor se manifesta nos casos onde há infecção associada, ou em pacientes hipertensos sem o controle adequado da pressão arterial.

 

Como é feito o diagnóstico:

Através de exame clínico, sendo algumas vezes necessário estudo detalhado da circulação venosa. A Flebografia ou Ecodoppler venoso, são alguns exemplos de exames para a execução do referido estudo.

Como tratar e prevenir:

  • Evitar ficar muito tempo em pé ou sentado durante o dia;
  • Sapatos altos;
  • Obesidade;
  • Exercícios com peso;
  • A pratica de exercícios, como por exemplo, caminhada, ciclismo, natação, porém sem excessos. De acordo com o tipo de ulceração, se o paciente ficar em repouso absoluto, com as pernas elevadas, elas podem curar-se sem o uso de medicamentos. Uma das principais medidas é manter a ferida limpa. Atualmente, estão disponíveis vários tipos de curativos que agem mantendo a ferida fechada, mas qualquer um deles deve estar associado à compressão, feita por ataduras ou meias elásticas que, assim como os curativos, devem ser indicadas pelo médico especialista. Quando as úlceras são extensas e não existe infecção, pode-se fazer enxertia cutânea que, além de abreviar o tempo de cicatrização, permite maior resistência ao reaparecimento da úlcera. Em muitos casos de úlceras varicosas, pode haver a indicação de tratamento cirúrgico, depois de um estudo cuidadoso feito pelo médico especialista. Só devendo ser realizada após a cicatrização da úlcera ou quando já estiver totalmente isenta de material purulento;
  • Uso meias elásticas.

Dra. Gabriele Garotti é médica, especialista em Cirurgia Vascular e Angiologia pelo Conselho Federal de Medicina, Associação Médica Brasileira e possui o Título de Especialista em Cirurgia Vascular pela Sociedade Brasileira de Angiologia e Cirurgia Vascular.

Realizou sua formação acadêmica na Faculdade de Medicina de Sorocaba (Pontifícia Universidade Católica de São Paulo) e se especializou em Cirurgia Geral e Angiologia-Cirurgia Vascular.

Em constante aprimoramento profissional, participando de congressos, pesquisas e cursos, busca oferecer aos pacientes alternativas de tratamentos em todos os níveis de complexidade, visando acima de tudo, um resultado que incorpore a saúde ao bem-estar do paciente.